Cada vez que lancei um vídeo sobre a Trindade – este será o quarto – recebo pessoas comentando que eu realmente não entendo a doutrina da Trindade. Eles estão certos. Eu não entendo. Mas é o seguinte: cada vez que alguém me diz isso, peço que me expliquem. Se eu realmente não entendo isso, então mostre para mim, peça por peça. Sou um sujeito razoavelmente inteligente, então acho que, se me explicarem, eu conseguiria.

Que resposta recebo desses trinitários? Recebo os mesmos textos de prova cansados ​​que vejo há décadas. Eu não recebo nada de novo. E quando aponto as incongruências em seu raciocínio e as inconsistências textuais entre seus textos de prova e o restante das Escrituras, novamente recebo a resposta irônica: “Você simplesmente não entende a Trindade”.

Aqui está a coisa: eu não preciso entendê-lo. Tudo que eu preciso é de alguma prova empírica real de que ela existe. Há muitas coisas que não entendo, mas isso não significa que duvide de sua existência. Por exemplo, não entendo como funcionam as ondas de rádio. Ninguém faz. Na verdade. No entanto, toda vez que uso meu celular, provo sua existência.

Eu argumentaria o mesmo sobre Deus. Vejo evidências sobre design inteligente na criação ao meu redor (Romanos 1:20). Eu vejo isso no meu próprio DNA. Sou programador de computador de profissão. Quando vejo código de programa de computador, sei que alguém o escreveu, porque representa informação, e informação vem de uma mente. O DNA é um código infinitamente mais complexo do que qualquer coisa que já escrevi, ou poderia escrever. Ele contém informações que instruem uma única célula a se multiplicar de maneira muito precisa, de modo a produzir um ser humano muito complexo química e estruturalmente. A informação sempre se origina de uma mente, de uma consciência proposital inteligente

Se eu pousasse em Marte e encontrasse palavras esculpidas em uma rocha que diziam: “Bem-vindo ao nosso mundo, terráqueo”. Eu saberia que havia inteligência em ação, não acaso.

Meu ponto é que eu não tenho que entender a natureza de Deus para saber que ele existe. Posso provar sua existência a partir das evidências ao meu redor, mas não consigo entender sua natureza a partir dessas evidências. Embora a criação me prove a existência de um deus, não prova que ele seja uma entidade três em um. Para isso preciso de provas não encontradas na natureza. A única fonte para esse tipo de evidência é a Bíblia. Deus revela algo de sua natureza através de sua palavra inspirada.

Deus se revela como uma Trindade? Ele nos dá seu nome quase 7,000 vezes. Seria de esperar que ele também nomeasse sua natureza, mas a palavra Trindade, que vem do latim Trindade (tríade) está longe de ser encontrada nas Escrituras.

Jeová Deus, ou Yahweh se você preferir, escolheu se revelar e ele fez isso nas páginas da Bíblia, mas como essa revelação funciona? Como chega até nós? Está codificado nas Escrituras? Aspectos de sua natureza estão ocultos nos escritos sagrados, esperando que algumas mentes inteligentes e privilegiadas decifrem o código oculto? Ou Deus simplesmente escolheu contar como é?

Se o Altíssimo, o Criador de todas as coisas, escolheu se revelar a nós, revelar sua própria natureza a nós, então não deveríamos estar todos na mesma página? Não deveríamos todos ter o mesmo entendimento?

Não, não devemos. Por que eu digo isso? Porque não é isso que Deus quer. Jesus explica:

“Naquele tempo, Jesus declarou: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois isso foi muito agradável aos Seus olhos.

Todas as coisas me foram confiadas por Meu Pai. Ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aqueles a quem o Filho escolhe para revelá-lo.” (Mateus 11:25-27 BSB).

“Aqueles a quem o Filho escolhe revelá-lo”. De acordo com esta passagem, o Filho não escolhe os sábios e instruídos. Quando seus discípulos perguntaram por que ele fez isso, ele lhes disse em termos inequívocos:

“A vós foi dado o conhecimento dos mistérios do reino dos céus, mas não a eles… É por isso que lhes falo por parábolas”. (Mateus 13:11,13 BSB)

Se alguém pensa que é sábio e instruído, inteligente e erudito, especial e visionário, e que esses dons lhe conferem a capacidade de decifrar as coisas profundas de Deus para o resto de nós, até mesmo a verdadeira natureza de Deus, então ele está se enganando.

Nós não entendemos Deus. Deus se revela, ou melhor, o Filho de Deus, nos revela o Pai, mas não revela Deus a todos, apenas aos escolhidos. Isso é significativo e precisamos pensar sobre qual qualidade nosso Pai procura naqueles que ele escolhe para serem seus filhos adotivos. Ele está buscando proezas intelectuais? E quanto àqueles que se promovem como tendo insights especiais sobre a palavra de Deus, ou se proclamam como o canal de comunicação de Deus? Paulo nos diz o que Deus está procurando:

“E sabemos que Deus coopera todas as coisas para o bem daqueles que O amam, que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28, BSB).

O amor é o fio que vai e volta para unir todo o conhecimento em um todo. Sem ele, não podemos obter o espírito de Deus, e sem esse espírito, não podemos chegar à verdade. Nosso Pai celestial nos escolhe porque nos ama e nós o amamos.

John escreve:

“Vede que tipo de amor o Pai nos deu, para que fôssemos chamados filhos de Deus. E isso é o que somos!" (1 João 3:1 BSB)

“Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: 'Mostra-nos o Pai'? Você não acredita que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que te digo, não falo por mim mesmo. Em vez disso, é o Pai habitando em Mim, realizando Suas obras. Creia-me que estou no Pai e que o Pai está em mim – ou pelo menos creia por causa das próprias obras”. (João 14:9-11BSB)

Como é possível para Deus comunicar a verdade em linguagem tão clara e escrita simples que seus filhos adotivos podem entender, mas que ele esconde daqueles que se julgam sábios e intelectuais? Pois certamente os sábios ou intelectuais, pela própria admissão de Jesus em Mateus 11:25, não podem entender o significado de unidade ou amor entre o Pai, o Filho e os escolhidos através do espírito santo porque a mente intelectual busca complexidade para que possa distinguir-se das pessoas comuns. Como João 17:21-26 diz:

“Não estou pedindo somente por eles, mas também por aqueles que crerão em Mim por meio de sua mensagem, para que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu estou em Ti. Que eles também estejam em Nós, para que o mundo creia que Tu me enviaste. Eu dei a eles a glória que você me deu, para que eles sejam um como nós somos um— Eu neles e você em mim - para que eles possam ser levados à completa unidade. Então o mundo saberá que você me enviou e os amou assim como você me amou.

Pai, quero aqueles que me deste para estar comigo onde estou e ver a minha glória, a glória que me deste porque me amaste antes da criação do mundo.

“Justo Pai, embora o mundo não te conheça, eu te conheço, e eles sabem que você me enviou. Eu vos dei a conhecer a eles e continuarei a dar-vos a conhecer, para que o amor que me tendes esteja neles e eu mesmo esteja neles”. (João 17: 21-26 BSB)

A unidade que Jesus tem com Deus é baseada na unidade que vem do amor. Esta é a mesma unidade com Deus e Cristo que os cristãos experimentam. Você notará que o espírito santo não está incluído nessa unidade. Espera-se que amemos o Pai, e espera-se que amemos o Filho, e espera-se que amemos uns aos outros; e mais do que isso, queremos amar o Pai, queremos amar o filho e queremos amar nossos irmãos e irmãs. Mas onde está a ordem de amar o espírito santo? Certamente, se fosse a terceira pessoa de uma Santíssima Trindade, tal comando seria fácil de encontrar!

Jesus explica que é o Espírito da verdade que nos move:

“Ainda tenho muito para lhe contar, mas você ainda não aguenta ouvir. No entanto, quando o Espírito da verdade vier, Ele o guiará em toda a verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas falará o que ouve e anunciará a vocês o que está por vir”. (João 16:12, 13)

Naturalmente, se você acredita que a doutrina da Trindade define a natureza de Deus, então você quer acreditar que o espírito o guiou a essa verdade, certo? Mais uma vez, se tentarmos descobrir as coisas profundas de Deus para nós mesmos com base em nossas próprias idéias, sempre erraremos. Precisamos do espírito para nos guiar. Paulo nos disse:

“Mas foi a nós que Deus revelou essas coisas pelo seu Espírito. Pois o seu Espírito procura tudo e nos mostra os segredos profundos de Deus. Ninguém pode conhecer os pensamentos de uma pessoa, exceto o próprio espírito dessa pessoa, e ninguém pode conhecer os pensamentos de Deus, exceto o próprio Espírito de Deus”. (1 Coríntios 2:10,11 Nova Tradução Viva)

Não acredito que a doutrina da Trindade defina a natureza de Deus, nem seu relacionamento com seu Filho, Jesus Cristo. Acredito também que o espírito me guiou a esse entendimento. Um trinitário dirá a mesma coisa sobre sua compreensão da natureza de Deus. Nós dois não podemos estar certos, podemos? O mesmo espírito não nos guiou a conclusões diferentes. Há apenas uma verdade, embora possa haver muitas mentiras. Paulo lembra aos filhos de Deus:

“Rogo a vocês, irmãos e irmãs, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos vocês concordem uns com os outros no que dizem e que não haja divisões entre vocês, mas que você esteja perfeitamente unido em mente e pensamento.” (1 Coríntios 1:10 NVI)

Vamos explorar um pouco mais a discussão de Paulo sobre a unidade de mente e pensamento, pois é um tema bíblico importante e, portanto, essencial para nossa salvação. Por que algumas pessoas pensam que cada um de nós pode adorar a Deus à sua maneira e com o seu próprio entendimento e, no final, todos nós acabaremos com o prêmio da vida eterna?

Por que entender a natureza de Deus é vital? Por que nossa compreensão do relacionamento entre o Pai e o Filho afeta nossas chances de obter a vida eterna como filhos de Deus na ressurreição dos justos?

Jesus nos diz: “Ora, esta é a vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. (João 17:3 BSB)

Então, conhecer a Deus significa vida. E quanto a não conhecer a Deus? Se a Trindade é um falso ensino originário da teologia pagã e forçado goela abaixo dos cristãos sob pena de morte, como foi pelo imperador romano Teodósio depois de 381 EC, então aqueles que a aceitam não conhecem a Deus.

Paulo nos diz:

“Afinal, é justo que Deus retribua com aflição aqueles que os afligem e conceda alívio a vocês que são oprimidos e a nós também. Isso acontecerá quando o Senhor Jesus for revelado do céu com Seus anjos poderosos em fogo ardente, infligir vingança sobre aqueles que não conhecem a Deus e não obedeça ao evangelho de nosso Senhor Jesus”. (2 Tessalonicenses 1:6-8 BSB)

Está bem, está bem. Assim, todos podemos concordar que conhecer a Deus é crucial para agradá-lo e obter sua aprovação, o que leva à vida eterna. Mas se você acredita na Trindade e eu não, isso não significa realmente que um de nós não conhece a Deus? Algum de nós corre o risco de perder o prêmio da vida eterna com Jesus no reino dos céus? Parece que sim.

Bem, vamos rever. Estabelecemos que não podemos descobrir Deus por puro intelecto. Na verdade, ele esconde as coisas dos intelectuais e as revela aos pequeninos, como vimos em Mateus 11:25. Deus adotou filhos e, como qualquer pai amoroso, compartilha com seus filhos intimidades que não compartilha com estranhos. Também estabelecemos que a maneira como ele revela as coisas aos filhos é por meio do espírito santo. Esse espírito nos guia em toda a verdade. Então, se temos o Espírito, temos a verdade. Se não temos a verdade, então não temos o Espírito.

Isso nos leva ao que Jesus disse à mulher samaritana:

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que o adorem. Deus é Espírito, e seus adoradores devem adorá-lo em espírito e em verdade”. (João 4:23, 24 BSB)

Portanto, Jeová Deus está procurando um tipo específico de pessoa, alguém que o adore em espírito e em verdade. Devemos, portanto, amar a verdade e ser guiados pelo espírito de Deus em toda a verdade que buscamos fervorosamente. A chave para obter esse conhecimento, essa verdade, não é pelo nosso intelecto. É através do amor. Se nosso coração está cheio de amor, o espírito pode nos guiar. No entanto, se formos motivados pelo orgulho, o espírito será impedido, até mesmo bloqueado por completo.

“Oro para que, com suas gloriosas riquezas, ele os fortaleça com poder pelo seu Espírito em seu ser interior, para que Cristo habite em seus corações pela fé. E eu oro para que você, estando arraigado e estabelecido no amor, tenha poder, junto com todo o povo santo do Senhor, para compreender quão amplo, longo, alto e profundo é o amor de Cristo, e conhecer esse amor que excede todo o conhecimento – para que sejais cheios à medida de toda a plenitude de Deus. (Efésios 3:16-19 NVI)

O que isso representa é enorme; não é uma questão trivial. Se a Trindade é verdadeira, então devemos aceitá-la se formos estar entre os que adoram o Pai em Espírito e em verdade e se formos aqueles que Ele favorece com a vida eterna. Mas se não for verdade, devemos rejeitá-la pela mesma razão. Nossas vidas eternas estão na balança.

O que dissemos antes, vale a pena repetir. Se a Trindade é uma revelação de Deus, então a única evidência disso pode ser encontrada nas Escrituras. Se o espírito guiou os homens à verdade e essa verdade é que Deus é uma Trindade, então tudo o que precisamos é de confiança e humildade infantis para ver Deus como ele realmente é, três pessoas em um só Deus. Embora nossas fracas mentes humanas possam não ser capazes de compreender a maneira pela qual esse Deus trino pode ser, isso é de pouca importância. Bastaria que ele se revelasse tal Deus, um ser tão divino, três em um. Não precisamos entender como isso funciona, mas apenas que é assim.

Certamente, aqueles que já foram conduzidos pelo Espírito de Deus a esta verdade podem agora explicá-la para nós de uma maneira simples, de uma maneira que as criancinhas possam entender. Portanto, antes de examinarmos as evidências nas Escrituras usadas para apoiar a Trindade, vamos primeiro examiná-la conforme definida por aqueles que afirmam tê-la revelado a eles pelo espírito santo de Deus.

Começaremos com a Trindade ontológica.

“Espere um minuto”, você pode dizer. Por que você está colocando um adjetivo como “ontológico” na frente do substantivo “Trindade”? Se existe apenas uma Trindade, por que você precisa qualificá-la? Bem, eu não faria, se houvesse apenas uma trindade, mas na verdade existem muitas definições. Se você se interessar em dar uma olhada na Enciclopédia de Filosofia de Stanford, encontrará “'reconstruções racionais' da doutrina da Trindade, que emprega conceitos da metafísica analítica contemporânea, lógica e epistemologia” como “Teorias de um eu”, “Três Teorias do eu”, “Teorias do Eu, do Não-Eu e do Eu Indeterminado”, “Misterianismo” e “Além da Coerência”. Todas essas coisas são garantidas para trazer à mente o deleite sem fim sábio e intelectual. Quanto ao infantil, ah, nem tanto. De qualquer forma, não vamos ficar confusos com todas essas muitas teorias. Vamos nos ater apenas às duas teorias principais: a Trindade ontológica e a Trindade econômica.

Então, novamente, começaremos com a Trindade ontológica.

“Ontologia é o estudo filosófico da natureza do ser. A “Trindade ontológica” refere-se ao ser ou natureza de cada membro da Trindade. Em natureza, essência e atributos, cada Pessoa da Trindade é igual. O Pai, o Filho e o Espírito Santo compartilham a mesma natureza divina e, portanto, compõem uma Trindade ontológica. O ensino da Trindade ontológica diz que todas as três Pessoas da Divindade são iguais em poder, glória, sabedoria, etc.” (Fonte: gotquestions.org)

Claro, isso cria um problema porque há muitos lugares na Bíblia onde o “poder, glória [e] sabedoria” de um membro da Trindade – o Filho – é mostrado como subordinado ou inferior ao “poder, glória, [e] sabedoria”, de outro membro – o Pai (sem mencionar que nunca há qualquer exortação para adorar o espírito santo).

Na tentativa de resolver isso, temos a segunda definição: a Trindade econômica.

“A Trindade econômica é frequentemente discutida em conjunto com a “Trindade ontológica”, um termo que se refere à natureza co-igual das Pessoas da Trindade. O termo “trindade econômica” enfoca o que Deus faz; A “trindade ontológica” se concentra em quem Deus é. Juntos, esses dois termos apresentam o paradoxo da Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito compartilham uma natureza, mas são Pessoas diferentes e têm papéis diferentes. A Trindade é unida e distinta”. (Fonte: gotquestions.org)

Tudo isso é apresentado como um paradoxo. A definição de paradoxo é: Uma afirmação ou proposição aparentemente absurda ou autocontraditória que, quando investigada ou explicada, pode provar ser bem fundamentada ou verdadeira. (Fonte: lexico.com)

A única maneira pela qual você pode legitimamente chamar a Trindade de paradoxo é se essa doutrina “aparentemente absurda” for provada como verdadeira. Se você não pode provar que é verdade, então não é um paradoxo, é apenas um ensinamento absurdo. A única fonte possível de evidência para provar que a trindade ontológica/econômica é verdadeira é a Bíblia. Não há outra fonte.

Como o CARM, o Ministério de Apologética e Pesquisa Cristã, prova que o ensino é verdadeiro?

(Só para avisá-lo, isso é muito longo, mas nós realmente temos que ler tudo para obter toda a altura, largura e profundidade desse tipo de pensamento trinitário. Deixei as referências bíblicas, mas removi as citações reais em o interesse da brevidade, mas você pode acessar o texto completo usando um link que colocarei no campo de descrição deste vídeo.

A Trindade Econômica

Como dito acima, a Trindade Econômica trata de como as três pessoas da Divindade se relacionam umas com as outras e com o mundo. Cada um tem papéis diferentes dentro da Divindade e cada um tem papéis diferentes em relação ao mundo (alguns papéis se sobrepõem). O Pai-e-Filho é um relacionamento intertrinitário, pois é eterno (mais sobre isso abaixo). O Pai enviou o Filho (1 João 4:10), o Filho desceu do céu não para fazer a sua própria vontade, mas a vontade do Pai (João 6:38). Para um único versículo que mostra diferenças nos papéis, veja 1 Ped. 1:2, “Segundo a presciência de Deus Pai, pela obra santificadora do Espírito, para que vocês obedeçam a Jesus Cristo e sejam aspergidos com o Seu sangue,” Você pode ver que o Pai sabe de antemão. O Filho se fez homem e se sacrificou. O Espírito Santo santifica a igreja. Isso é bastante simples, mas antes de discutirmos mais sobre isso, vamos dar uma olhada em alguns dos versículos que apoiam a diferença de papéis entre as três pessoas da Trindade.

O Pai enviou o Filho. O Filho não enviou o Pai (João 6:44; 8:18; 10:36; 1 João 4:14)

Jesus desceu do céu, não para fazer a sua vontade, mas a vontade do Pai. (João 6:38)

Jesus realizou a obra redentora. O Pai não. (2 Cor. 5:21; 1 Ped. 2:24)

Jesus é o unigênito. O Pai não é. (João 3:16)

O Pai deu o Filho. O Filho não deu o Pai ou o Espírito Santo. (João 3:16)

O Pai e o Filho enviam o Espírito Santo. O Espírito Santo não envia o Pai e o Filho. (João 14:26; 15:26)

O Pai deu os eleitos ao Filho. A Escritura não diz que o Pai deu os eleitos ao Espírito Santo. (João 6:39)

O Pai nos escolheu antes da fundação do mundo. Nenhuma indicação de que o Filho ou o Espírito Santo nos escolheu. (Efésios 1:4)

O Pai nos predestinou para adoção segundo a intenção de sua vontade. Isso não é dito do Filho ou do Espírito Santo. (Efésios 1:5)

Temos redenção pelo sangue de Jesus, não pelo sangue do Pai ou do Espírito Santo. (Efésios 1:7)

Vamos resumir. Podemos ver que o Pai enviou o Filho (João 6:44; 8:18). O Filho desceu do céu não para fazer a sua vontade (João 6:38). O Pai deu o Filho (João 3:16), que é o unigênito (João 3:16), para realizar a obra redentora (2Co 5:21; 1Pe 2:24). O Pai e o Filho enviaram o Espírito Santo. O Pai, que nos escolheu antes da fundação do mundo (Efésios 1:4), nos predestinou (Efésios 1:5; Romanos 8:29), e deu os eleitos ao Filho (João 6:39).

Não foi o Filho quem enviou o Pai. O Pai não foi enviado para fazer a vontade do Filho. O Filho não deu o Pai, nem o Pai foi chamado de unigênito. O Pai não realizou a obra redentora. O Espírito Santo não enviou o Pai e o Filho. Não é dito que o Filho ou o Espírito Santo nos escolheu, nos predestinou e nos deu ao Pai.

Além disso, o Pai chama Jesus de Filho (João 9:35), e não o contrário. Jesus é chamado de Filho do Homem (Mt 24:27); o Pai não é. Jesus é chamado de Filho de Deus (Marcos 1:1; Lucas 1:35); o Pai não é chamado de Filho de Deus. Jesus se sentará à direita de Deus (Marcos 14:62; Atos 7:56); o Pai não está sentado à direita do Filho. O Pai designou o Filho como herdeiro de todas as coisas (Hb 1:1), e não o contrário. O Pai fixou o tempo da restauração do reino de Israel (Atos 1:7), o Filho não. O Espírito Santo dá dons à Igreja (1 Cor. 12:8-11) e produz frutos (Gal. 5:22-23). Estas não são ditas do Pai e do Filho.

Então, claramente, vemos diferenças em função e papéis. O Pai envia, dirige e predestina. O Filho faz a vontade do Pai, torna-se carne e realiza a redenção. O Espírito Santo habita e santifica a Igreja.

Agora lembre-se que a trindade ontológica, que a Trindade econômica apóia, afirma que “todas as três Pessoas da Divindade são iguais em poder, glória, sabedoria, etc.” O et cetera representa todo o resto. Então, lendo tudo o que foi dito acima, onde encontramos igualdade em poder, glória, sabedoria, conhecimento, autoridade ou qualquer outra coisa? Se você ler todos esses versículos da Bíblia sem nenhuma ideia preconcebida, sem ninguém lhe dizer antecipadamente o que eles significam, você acreditaria que Deus está se revelando a você pelo espírito santo como uma Trindade? Como três pessoas distintas formando um ser?

Que conclusão tira o escritor do artigo da Apologética Cristã e do Ministério de Pesquisa de tudo isso:

Sem essas distinções, não pode haver distinções entre as pessoas da Trindade e se não há distinções, não há Trindade.

Huh? Eu olharia para todas essas distinções para provar que não há uma trindade, porque elas provam que os três não são iguais, mas o escritor deste artigo está virando todas as evidências contra a existência de uma trindade em sua cabeça e alegando que a evidências provam a Trindade, afinal.

Imagine se a polícia chegasse à sua porta uma noite e dissesse: “Seu vizinho foi encontrado assassinado. Encontramos sua arma no local com suas digitais. Encontramos seu DNA sob as unhas da vítima. Temos três Testemunhas que o viram entrar na casa minutos antes do tiro ser ouvido e que o viram sair correndo depois. Também encontramos o sangue dele em suas roupas. Finalmente, antes de morrer, ele escreveu seu nome com sangue no chão. Todas essas evidências provam conclusivamente que você não o matou. Na verdade, se não fosse por essa evidência, você seria nosso principal suspeito.”

Eu sei. Esse é um cenário absurdo, mas esse é essencialmente o cenário deste artigo do CARM. Espera-se que acreditemos que todas as evidências bíblicas que refutam a Trindade, não a refutam de forma alguma. Na verdade, é bem o contrário. Esses estudiosos perderam sua capacidade de pensar racionalmente, ou eles apenas pensam que o resto de nós é tolo. Sabe, às vezes não há palavras...

Parece que o propósito da teoria econômica da Trindade é tentar contornar a montanha de evidências bíblicas que demonstram que os três membros da trindade não são iguais entre si de forma alguma. A trindade econômica tenta mudar o foco da natureza do Pai, Filho e Espírito Santo para os papéis que cada um desempenha.

Este é um truque fofo. Deixe-me mostrar-lhe como funciona. Vou reproduzir um vídeo para você. Não consegui apurar a fonte deste vídeo, mas evidentemente é um trecho de um debate entre um ateu e um criacionista cristão. O ateu pergunta o que ele obviamente acredita ser uma pergunta pegadinha, mas o cristão o desliga com bastante eficácia. Sua resposta revela uma visão real da natureza de Deus. Mas esse cristão é, sem dúvida, um trinitário. A ironia é que sua resposta realmente refuta a Trindade. Então, para concluir, ele ironicamente se engaja em um pequeno raciocínio falacioso. Vamos ouvir:

Reinhold Schlieter: Estou confuso. Sendo filosoficamente consistente e sendo uma pessoa muito honesta, tenho certeza que você pode me dizer de onde Deus veio. E além disso, uma vez que você me disse de onde Deus vem, por favor, tente esclarecer como você pode imaginar que uma força espiritual pode ter um impacto em um universo material para criá-la.

Dr. Kent Hovind: Tudo bem, sua pergunta, "De onde Deus veio?" supõe que seu pensamento sobre o errado – obviamente, isso mostra – que seu pensamento sobre o deus errado. Porque o Deus da Bíblia não é afetado pelo tempo, espaço ou matéria. Se Ele é afetado pelo tempo, espaço ou matéria, ele não é Deus. Tempo, espaço e matéria é o que chamamos de continuum. Todos eles têm que vir a existir no mesmo instante. Porque se houvesse matéria, mas não espaço, onde você a colocaria? Se houvesse matéria e espaço, mas não tempo, quando você o colocaria? Você não pode ter tempo, espaço ou matéria independentemente. Eles têm que vir a existir simultaneamente. A Bíblia responde isso em dez palavras: “No princípio [há tempo], Deus criou o céu [há espaço] e a terra [há matéria].

Então você tem tempo, espaço, matéria criada; uma trindade de trindades ali; você sabe que o tempo é passado, presente, futuro; espaço é altura, comprimento, largura; a matéria é sólida, líquida, gasosa. Você tem uma trindade de trindades criadas instantaneamente, e o Deus que as criou tem que estar fora delas. Se ele está limitado pelo tempo, Ele não é Deus.

O deus que criou este computador não está no computador. Ele não está correndo por aí mudando os números na tela, ok? O Deus que criou este universo está fora do universo. Ele está acima dele, além dele, nele, através dele. Ele não é afetado por isso. Então, para... e o conceito de que uma força espiritual não pode ter nenhum efeito sobre um corpo material... bem, então, eu acho que você teria que me explicar coisas como emoções e amor e ódio e inveja e ciúme e racionalidade. Quero dizer, se seu cérebro é apenas uma coleção aleatória de substâncias químicas que se formaram por acaso ao longo de bilhões de anos, como você pode confiar em seus próprios processos de raciocínio e nos pensamentos que você pensa, ok?

Então, ah... sua pergunta: “De onde Deus veio?” está assumindo um deus limitado, e isso é problema seu. O Deus que eu adoro não é limitado pelo tempo, espaço ou matéria. Se eu pudesse encaixar o Deus infinito em meu cérebro de três quilos, Ele não valeria a pena adorar, isso é certo. Então esse é o Deus que eu adoro. Obrigada.

Concordo que Deus é infinito e não pode ser afetado pelo universo. Nesse ponto, estou de acordo com este colega. Mas ele não consegue ver o impacto de suas palavras em seu próprio sistema de crenças. Como Jesus, que é Deus de acordo com a teoria trinitária, pode ser afetado pelo universo? Deus não pode ser limitado pelo tempo. Deus não precisa comer. Deus não pode ser pregado em uma cruz. Deus não pode ser morto. No entanto, ele nos fará crer que Jesus é Deus.

Então aqui você tem uma explicação maravilhosa da inteligência infinita, poder e natureza de Deus que não se encaixa na teoria trinitária. Mas você notou como ele ainda tentou introduzir a Trindade em seu argumento quando citou Gênesis 1:1? Ele se refere ao tempo, espaço e matéria como uma Trindade. Em outras palavras, toda a criação, todo o universo, é uma Trindade. Então ele subdivide cada elemento deste universo em sua própria trindade. O tempo tem passado, presente e futuro; o espaço tem altura, largura e profundidade; a matéria existe como um sólido, líquido ou gás. Uma Trindade de Trindades, ele a chamava.

Você não pode simplesmente chamar algo que existe em três estados, como a matéria, de trindade. (Na verdade, a matéria também pode existir como plasma, que é um quarto estado, mas não vamos confundir ainda mais a questão.) A questão é que estamos vendo uma técnica comum aqui. A falácia lógica da falsa equivalência. Ao jogar rápido e solto com o significado da palavra, trindade, ele está tentando nos fazer aceitar o conceito em seus termos. Assim que o fizermos, ele poderá aplicá-lo ao significado real que deseja transmitir.

Aceito que Jeová, Jesus e o espírito santo têm papéis diferentes? sim. Aí está, a Trindade econômica. Não, você não.

Você concorda que em uma família você tem um pai, uma mãe e um filho que têm papéis diferentes? sim. Você pode defini-los como uma família? sim. Mas isso não é equivalente à Trindade. O pai é a família? A mãe é a família? A criança é a família? Não. Mas o Pai é Deus? Sim, diz o trinitário. O Espírito Santo é Deus? Sim novamente. O Filho é Deus? sim.

Veja, a Trindade econômica é apenas uma maneira de tentar pegar a evidência que refuta a Trindade ontológica e explicá-la. Mas, na realidade, a maioria daqueles que usam a Trindade econômica para explicar a evidência contra a Trindade ontológica ainda acredita na definição ontológica de três pessoas distintas em um ser, que são todas iguais em todas as coisas. Este é um truque de mágico. Uma mão o distrai enquanto a outra faz o truque. Veja aqui: Na minha mão esquerda, seguro a trindade econômica. Tudo o que a Bíblia diz sobre os diferentes papéis desempenhados pelo Pai, Filho e espírito santo é verdade. Você aceita isso? sim. Vamos chamá-lo de Trindade, ok? OK. Agora na mão direita, “abracadabra”, temos a trindade real. Mas ainda é chamado de Trindade, certo? E você aceita a Trindade, certo? Oh. Sim. Tudo bem eu já entendi.

Agora, para ser justo, nem todos que são trinitários aceitam a trindade ontológica. Muitos destes dias desenvolveram suas próprias definições. Mas eles ainda usam o termo Trindade. Isso é um fato muito importante. É a chave para explicar a compulsão que as pessoas têm de aceitar a Trindade.

Para a maioria das pessoas, a definição não importa muito. Antigamente importava. Na verdade, houve um tempo em que você seria amarrado a uma estaca e queimado vivo se não concordasse com isso. Mas hoje em dia, nem tanto. Você pode criar sua própria definição e tudo bem. Contanto que você use o termo, Trindade. É como a senha para entrar em um clube exclusivo.

A analogia que acabei de usar de uma família realmente se encaixa com algumas definições da Trindade agora em circulação.

Se o único filho de uma família morre, não é mais uma família. Tudo o que resta é um casal. Perguntei a um trinitário o que aconteceu quando Jesus morreu por três dias. Sua resposta foi que Deus estava morto por aqueles três dias.

Isso não é a Trindade, mas, novamente, o que importa é que o próprio termo é usado. Por quê?

Eu tenho uma teoria, mas antes de explicá-la, devo afirmar que com esta série de vídeos, não estou tentando convencer os trinitários de que eles estão errados. Este argumento vem acontecendo há mais de 15 séculos, e eu não vou vencê-lo. Jesus a vencerá quando vier. Estou tentando ajudar aqueles que estão despertando da organização das Testemunhas de Jeová a não serem vítimas de outra falsa doutrina. Eu não quero que eles saltem da frigideira da falsa teologia das Testemunhas de Jeová para o fogo do dogma cristão dominante.

Eu sei que o apelo para pertencer a algum grupo de cristãos pode ser muito forte. Alguns raciocinarão que, se tiverem que se curvar um pouco, se tiverem que aceitar outra doutrina falsa, é um preço que estão dispostos a pagar. A pressão dos colegas e a necessidade de pertencer é o que levou os cristãos do primeiro século, pelo menos alguns deles, a tentar fazer com que os gentios fossem circuncidados.

Aqueles que querem impressionar as pessoas por meio da carne estão tentando obrigá-lo a ser circuncidado. A única razão pela qual eles fazem isso é para evitar serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. (Gálatas 6:12 NVI)

Acredito que seja um argumento válido aplicar isso à nossa situação atual e reler o versículo assim:

Aqueles que querem impressionar as pessoas por meio da carne estão tentando compelir você a acreditar que Deus é uma Trindade. A única razão pela qual eles fazem isso é para evitar serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. (Gálatas 6:12 NVI)

A necessidade de pertencer a um grupo significa que a pessoa ainda está presa à doutrinação da Organização das Testemunhas de Jeová. “Para onde mais irei?” é a pergunta mais comum de todos que começam a despertar para a falsidade e hipocrisia do JW.org. Conheço uma Testemunha de Jeová que está tentando ser reintegrada, embora saiba sobre todos os falsos ensinamentos e a hipocrisia da afiliação à ONU e os encobrimentos de abuso sexual infantil. Seu raciocínio é que é a melhor de todas as falsas religiões. Sua necessidade de pertencer a uma religião nublou sua mente para o fato de que os escolhidos de Deus, os filhos de Deus, pertencem apenas ao Cristo. Não pertencemos mais aos homens.

Portanto, ninguém se glorie nos homens. Pois tudo te pertence, seja Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, o presente ou o porvir; todas as coisas pertencem a você, e você pertence a Cristo; e Cristo pertence a Deus. (1 Coríntios 3:21-23)

É claro que os trinitários que ouvirem isso alegarão que têm provas. Eles alegarão que a prova da Trindade existe em toda a Bíblia. Eles têm muitos “textos de prova”. Deste ponto em diante, estarei examinando esses textos de prova um por um para ver se eles realmente fornecem a evidência bíblica para a doutrina, ou se é tudo fumaça e espelhos.

Por enquanto, vamos terminar e eu gostaria de agradecer sua atenção e, novamente, expressar minha gratidão por seu apoio.

 

Meleti Vivlon

Artigos de Meleti Vivlon.
    171
    0
    Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x